quarta-feira, 5 de junho de 2013

O Mover do Espírito Santo na Igreja



Por Juliana Camargo.

Houve um tempo em que ser cristão era um sinônimo de verdade. Eu não sei se nós nos perdemos, ou se agora estamos nos percebendo melhor. Fato é que os jornais, revistas, sites e toda mídia está repleta de más notícias do que chamamos de "Gospel", informações que jogam o nome do cristianismo na sujeira. Pessoas que iludem e abusam da falta de conhecimento e discernimento de seus fiéis.

Então nesse momento tão difícil meu coração se encheu de gozo e alegria. Não pela satisfação de ver a situação da igreja, mas porque há um discernimento entre a religiosidade e a verdade.

Se ainda podemos discernir, diferenciar a palavra da verdade é sinal que o Espírito Santo se move. E justamente este mover do Espírito Santo é que me comove. Eu tenho o costume de acompanhar em diversas mídias tudo sobre o cristianismo, textos na web, podcast, vídeos, livros, revistas, blogs, cultos de diversos ministérios. É impressionante como independente da plataforma o assunto é o mesmo. E quando você chega na sua congregação o assunto retoma. Qual explicação disto? O lindo mover do Espírito Santo.

domingo, 2 de junho de 2013

Orando pelos perseguidores


Por Alexfábio Custódio.

“Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem” (Mateus 5. 43 e 44).

Aqueles que me conhecem sabem que sou uma pessoa muito metódica, sou daqueles que planejam todo o dia enquanto escovo os dentes de manhã. E isso também interfere nos momentos devocionais.

Eu tenho um “plano de oração” programado em minha cachola. São categorias pelos quais sempre preciso lembrar-me de orar, e que se expandem em tópicos menores. Algo similar ao apresentado pelo Maurício Zágari nesse artigo de seu blog Apenas.

domingo, 19 de maio de 2013

Os caminhos de Pentecostes. Parte três – Veja além do cenáculo.



Por Alexfábio Custódio.

Leia as duas primeiras parte dessa série clicando aqui, e aqui.

“Então, voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém, à distância do caminho de um sábado. E, entrando, subiram ao cenáculo, onde habitavam Pedro e Tiago, João e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, filho de Tiago. Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com seus irmãos” (Atos dos Apóstolos 1. 12 a 14).

Após a ascensão de Jesus, os seus discípulos se reuniram no cenáculo para se organizarem e esperarem o tão aguardado revestimento de poder.

Muitos deles acompanharam todo o ministério de Jesus, essas trajetórias possuem algumas características semelhantes, que podem nos ajudar didaticamente.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Os caminhos de Pentecostes. Parte dois – Testemunho fiel.



Por Alexfábio Custódio.

Leia a primeira parte dessa série clicando aqui.

“E, estando com eles, determinou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que (disse ele) de mim ouvistes. Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias... Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” (Atos dos Apóstolos 1. 4, 5 e 8).

Jesus, já ressurreto e glorificado, estava dando as últimas instruções antes de sua ascensão. Em poucos dias O Outro Consolador, o Espírito Santo, seria enviado, como prometido há algum tempo (João 14. 16 e 17).

Esse encontro com a terceira pessoa da Trindade lhes concederia poder. Um poder que capacitaria os discípulos a serem testemunhas de Cristo. Considerando que testemunha é alguém que atesta a veracidade de um fato, a unção do Espírito Santo sobre a vida do Cristão lhe capacita para testificar da obra de Jesus Cristo.

domingo, 5 de maio de 2013

Os caminhos de Pentecostes. Parte um – definições.


Por Alexfábio Custódio.

Com um pouco mais de cem anos no Brasil, o segmento pentecostal continua sendo o que mais cresce entre os evangélicos do país. No entanto, o povo que até poucas décadas atrás era conhecido por seu fervor nas orações, paixão pela bíblia, e empenho evangelístico, têm visto surgir elementos litúrgicos e práticas religiosas antibíblicas entre seus membros.

Unção de objetos, venda de amuletos místicos, músicas que exaltam o crente ao invés de seu Redentor, teologia da prosperidade, itens e símbolos judaizantes no templo, etc. Embora todos esses elementos tenham surgido em igrejas dissidentes do pentecostalismo (neopentecostais), nenhum pentecostal com o mínimo de conhecimento bíblico concorda com tais atitudes.

terça-feira, 30 de abril de 2013

Pedidos


Por Juliana Camargo.

Quando você vai ao shopping é casual encontrar a cena de crianças implorando aos seus pais um presente ou um mimo. Certas vezes o pedido ultrapassa as dimensões exatas e viram um grande escândalo. Do semblante de adoráveis, os pequeninos passam a insuportáveis. Acredito que muitos dos pais acabam cedendo apenas para que seus filhos voltem ao comportamento normal. Todavia isto acaba gerando uma conduta na qual os filhos fazem de seus pais reféns.  Diferente dos nós humanos, Deus não é um Pai refém.

Quando estamos desconectados de Deus não produzimos nada!  Não conseguimos avançar, reclamamos, sofremos, enfim. Nos atrapalhamos com nossas vontades e anseios, por não compreender a vontade do Pai. Não estamos Nele, e ainda achamos que nossa força e nossas vontades nos sustentam. Se aprendêssemos admitir nossa dependência, e também aceita-la como uma característica positiva? Não devemos tomar os planos de Deus como um fator do qual vivemos como última saída! Diferente disto precisamos aceitar, porque temos o conhecimento de que é o melhor caminho a se seguir.

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Deserto.



Por Juliana Camargo.

Estava num deserto. Embaixo de um sol tão árduo, que parecia estar mais próximo da Terra. Brotava apenas uma vontade de encontrar um local de sombra e água pura! Não precisava nem estar fresca, contanto que fosse pura.

Depois de caminhar por horas, no final do dia, eu avistei um pequeno riacho. Meus passos de apressados passaram para desesperados. A vontade era tanta que o córrego parecia secar durante segundos. Quando cheguei, vi que ele era menor do que parecia. Não daria para me refrescar. Embora pudesse beber desta água com toda calmaria minhas mãos tremiam e minha vontade de saciar a sede, fazia com que a água se esvaísse por entre os dedos. Era visível meu desespero.

 Ao contrário do que se pensa a sede não é gerada apenas pelo fator ambiental, mas também pelos estímulos interiores. A vontade tinha muito mais haver com meu medo de não chegar ao destino, medo de não encontrar mais água, medo de não cumprir minhas metas, medo de não alcançar as minhas expectativas, medo.

domingo, 31 de março de 2013

UMA VIVA ESPERANÇA. - PARTE TRÊS: JESUS VIVE!

Texto: Alexfábio Custódio

Arte: Juliana Camargo

Esse artigo faz parte da trilogia “UMA VIVA ESPERANÇA.” Para uma compreensão plena, eu recomendo que você leia as partes anteriores: AFINAL, O QUE É ESPERANÇA? - ESPERE UM MINUTO, A ESPERANÇA MORREU?!?


A manhã deste Domingo marcou para sempre a história da humanidade. As mulheres encontraram uma grande pedra movida, soldados desmaiados, túmulo vazio, lençóis arrumados, mas nenhum sinal de Jesus.

Elas não sabiam, mas estavam procurando ao senhor em um lugar inadequado. Saindo da sepultura elas encontraram com duas figuras angelicais que foram encarregados de lhes anunciar a manchete do dia:

sexta-feira, 29 de março de 2013

UMA VIVA ESPERANÇA. - PARTE DOIS: ESPERE UM MINUTO, A ESPERANÇA MORREU?!?

Texto: Alexfábio Custódio

Arte: Juliana Camargo

Esse artigo faz parte da trilogia “UMA VIVA ESPERANÇA.” Para uma compreensão plena, eu recomendo que você leia a primeira parte: AFINAL, O QUE É ESPERANÇA?


Eu nunca esperaria que essa história terminasse assim! Não dessa forma, não com Ele!

Eu me lembro do dia em que tudo começou, naquela época todos estávamos impressionados com a coragem e autoridade de João Batista. Muitos começaram a crer que aquele arauto da justiça seria o messias prometido. Todavia, João logo explicou que o esperado das nações ainda estava por chegar.

João era um pregador impressionante, não me lembro de alguém que conseguisse interrompê-lo. Porém, naquela tarde no rio Jordão, o profeta interrompeu seu sermão para anunciar a chegada Dele:

sábado, 23 de março de 2013

UMA VIVA ESPERANÇA. - PARTE UM: AFINAL, O QUE É ESPERANÇA?

Texto: Alexfábio Custódio

Arte: Juliana Camargo

“A esperança é a última que morre.” Eu creio que todos os amigos leitores conhecem esse ditado popular. Vamos analisar essa sentença sobre a ótica da bíblia sagrada, comecemos definindo “esperança”.

O dicionário Aurélio define esperança como:

1. Ato de esperar o que se deseja.
2. Expectativa, espera.
3. Fé, confiança em conseguir o que se deseja.
4. Aquilo que se espera ou deseja.

Podemos dizer que esperança é uma expectativa em relação a fatos ou acontecimentos futuros.

Vamos ver as palavras usadas na bíblia para expressar esperança: