terça-feira, 16 de março de 2010

Bom é ter esperança.

Como estudioso da bíblia, eu me encanto com as histórias e testemunhos nela registrada. É impressionante como alguns personagens “relâmpagos”, que aparecem em um pequeno trecho das escrituras, podem nos ensinar muitas lições de fé.
Um desses personagens é Simeão, o seu testemunho está registrado no capítulo dois do evangelho de Lucas (vers. 25 a 32). A bíblia nos afirma que Simeão habitava em Jerusalém, era justo, temia a Deus e aguardava a consolação de Israel.

Uma das técnicas mais usadas na interpretação de narrativas bíblicas é a imersão histórica. Isto é, criar uma conjectura baseada no contexto histórico e na passagem em estudo. Assim podemos “viver” o momento usando nossa imaginação e dar vida e sentimento à análise textual.
Imagino Simeão sendo criado desde a infância como todo garoto judeu, aprendendo dos pais e na sinagoga os costumes, tradições e a fé de seu povo. O contato com a palavra de Deus ajudou a desenvolver o seu caráter justo e piedoso, e também, lhe forneceu uma esperança diante de uma realidade triste.
Muito antes do nascimento de Simeão o povo de Israel vivia sobre o jugo da servidão a nações mais poderosas. Babilônicos, medo-persas, gregos e agora os romanos. O povo que servia o único Deus verdadeiro não era soberano quanto à sua administração. Havia porém uma promessa de consolo ao povo de Deus:
“Consolai, consolai o meu povo, diz o vosso Deus. Falai benignamente a Jerusalém e bradai-lhe que já a sua servidão é acabada, que a sua iniqüidade está expiada e que já recebeu em dobro da mão do SENHOR, por todos os seus pecados.” (Isaias 40. 1 e 2).
Essa era uma das muitas palavras que geraram uma esperança no coração de Simeão, Deus iria restaurar e consolar o seu povo! Valia a pena crer, viver e ensinar essas promessas de Deus!
Entretanto, o tempo passou, e com ele a juventude de Simeão. Muitos dos seus companheiros de mocidade já haviam desanimado ou morrido. As pessoas pareciam ter esquecido a verdadeira razão de se buscar a Deus. Os jovens já não cresciam com a mesma reverência a Deus. E ainda havia a presença marcante do opressor estrangeiro. Simeão já havia perdido a conta de quantas vezes ouviu chocarrices dos soldados romanos:
- Lá vai esse judeu adorar a um Deus que ele nem vê!
- Judeu, Marte o deus romano da guerra é maior que o seu Deus!
- Somente César é o teu senhor seu tolo!

E os anos passaram, a velhice chegou! A decepção batia à porta do coração do servo de Deus. Imagino Simeão entrando em seu lar, fechando a porta do seu quarto e orando a Deus:
- Senhor tenho crido em ti e te servido desde a minha infância. Por anos tenho visto o seu povo ser oprimido e humilhado, tenho visto a fé no Senhor ser abandonada ou modificada por homens. Senhor confesso estar cansado, triste e desanimado. Ajude-me meu Deus a não abandonar a fé!
Vale ressaltar que as dúvidas não significam apenas falta de fé, existem pessoas que, semelhante a Simeão, esperam e confiam em Deus, mas estão vendo o tempo passar, eventos contrários à promessa acontecendo, elementos necessários sendo destruídos e a promessa ficando distante. São os fatores espaço/temporais que regem o mundo físico querendo obstruir a fé. Ainda bem que Deus contempla a tudo e age na hora certa!
Imagine agora comigo Deus ouvindo a oração de Simeão e chamando um anjo:
- Anjo vá até a Jerusalém e avise ao meu servo que o messias já vive!
Antes que o mensageiro levantasse vôo o Senhor o interrompe.
- Espere um pouco anjo, você é meu mensageiro fiel e eficiente. Mas, o meu servo está triste e desanimado, ele não precisa de um jornal, ele precisa ser consolado! Eu conheço a Pessoa certa para isso.
A bíblia afirma que o Espírito Santo estava sobre Simeão, e que o Consolador havia lhe feito uma promessa especial. Simeão ainda deveria estar de joelhos quando a presença do Espírito encheu o lugar e a Sua voz suave se fez ouvir:
- Simeão não temas, tenho visto a tua sinceridade para comigo. Tenho um presente para você, tão certo como eu sou Deus e vivo eternamente, eu digo que você não morrerá antes de ver o Cristo de Deus.
O Senhor sabe agir! Ele conhece o momento certo de ensinar os fundamentos da fé aos seres humanos; Ele conhece a hora de conceder promessas para pessoas, igrejas, comunidades e nações; Ele tem infinitas formas para consolar e manter o seu povo firme nas promessas quando a decepção quer invadir a sua alma; E, finalmente, Ele sabe cumprir as suas promessas.
“E, pelo Espírito, foi ao templo e, quando os pais trouxeram o menino Jesus, para com ele procederem segundo o uso da lei, ele, então, o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse: Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra, pois já os meus olhos viram a tua salvação, a qual tu preparaste perante a face de todos os povos, luz para alumiar as nações e para glória de teu povo Israel.” (Lucas 2. 27 a 32)
Muitos homens de Deus ensinam que Simeão foi a pessoa que apresentou ao Senhor Jesus com base nessa passagem citada acima. Pessoalmente eu discordo dessa afirmação. “E, pelo Espírito, foi ao templo”, esse trecho mostra que o Espírito Santo levou Simeão a desejar ir ao templo. Nos dias de Jesus havia um costume entre os sacerdotes que serviam no templo, havia um rodízio para determinar quem serviria por algum tempo (um exemplo disso é o de Zacarias, pai de João batista registrado em Lucas 1.8). O texto não diz que Simeão era sacerdote, e também não afirma que ele foi ao templo cumprir o seu turno no serviço sacerdotal. Não quero aqui criar polêmica, apenas mostrar uma interpretação do texto, aceito críticas e correções nos comentários.
Voltando a Simeão. O Espírito o conduziu ao templo, o imagino dobrando os seus joelhos e orando a Deus. De repente, o Consolador fala suavemente a Simeão:
- Simeão meu servo.
- fala Senhor, teu servo te ouve.
- Levante a sua cabeça.
Simeão obedece e observa um casal com vestes simples oferecendo duas pombinhas para apresentar o seu menino.
- Vê esse menino Simeão?
- Sim meu Senhor, o que tem ele?
- Esse é aquele do qual profetizou Isaias: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaias 9. 6)
Simeão deve ter sentido um baque, os olhos devem ter se enchido de lágrimas, as pernas bambeado, porém ele conseguiu se aproximar do casal e com carinho pediu para pegar o menino no seu colo.
Somente quem já viveu a angústia da dúvida acerca de uma promessa divina pode entender o sentimento vivido por esse ancião. Após uma vida inteira de fé ele estava com o Salvador do mundo em seu colo. Valeu a pena crer, manter a fé mesmo com a dúvida, mesmo com zombarias, mesmo em momentos difíceis, bom para Simeão foi ter esperança em Deus!
Amigo leitor, talvez nessa viagem pela imaginação você tenha visto algumas semelhanças entre a sua vida e a de Simeão. Saiba que Deus te ama e quer cumprir todas as promessas Dele na sua vida. Apenas confie e continue nos caminhos da fé. Deus vai guiar teus passos, e no dia certo, cumprir em sua vida as suas promessas.
“Bom é ter esperança e aguardar em silencio a salvação do SENHOR” (Lamentações 3. 26).

0 comentários:

Postar um comentário

A sua opinião é muito importante para a gente.
Comente, critique, deixe a sua dica para que o Sementes do Evangelho seja um blog relevante.