quinta-feira, 29 de julho de 2010

Conhecendo, e sendo reconhecido, por Jesus.

“Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas ovelhas sou conhecido” (João 10. 14).

No capítulo dez do evangelho segundo João o Senhor Jesus se declara o bom pastor. Ele afirma ser mais compromissado com a vida das ovelhas do que os mercenários, que fogem ao primeiro sinal de perigo, abandonando o rebanho nas garras dos predadores. Jesus, porém afirma que o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas (João 10. 11). 

O mestre já havia dito que as ovelhas conhecem a voz de seu pastor (João 10. 2 a 4), e no versículo que inicia esse artigo Jesus disse que existe um conhecimento mútuo entre ovelha e pastor. 

A questão que norteia esse artigo é: O quanto conheço e o quanto sou conhecido por Jesus? 

Nos dias atuais, caracterizados pela mídia instantânea, as pessoas desenvolveram uma idéia estranha de conhecer As celebridades tem as suas vidas expostas na mídia, sabemos com quem elas namoram, onde elas moram, o que jantaram ontem, entre outras coisas. Essa exposição excessiva cria uma falsa intimidade.

No início de minha fé cristã eu li muitas obras do escritor americano Max Lucado, suas obras me ajudaram a crescer espiritualmente. Sei muitas coisas do Max, sei que ele morou alguns anos no Brasil, sei como seu pai faleceu, os nomes de sua esposa e filhas, e vários testemunhos de sua vida. Certo dia descobri que o Max possui uma conta em uma mídia social na net, rapidamente lhe escrevi uma mensagem dizendo o quanto a sua obra me influenciou. No dia seguinte eu recebi uma resposta do Max, afirmando estar feliz por ter me ajudado na fé. 

Imagine a minha felicidade, Max Lucado havia me respondido! Isso gerou por algum tempo uma falsa sensação de intimidade, mas então eu pensei: “Eu poderia dizer aos meus amigos que eu conheço ao Max”? Claro que não!

Infelizmente o mesmo acontece em relação a Jesus. É cada vez mais fácil ter contato com a palavra de Jesus: Existem milhares de igrejas pregando o evangelho, bíblias são publicadas aos milhares e em várias traduções diferentes, pegadores estão nas mídias de massa, as palavras de Jesus estão em camisetas, quadros e em muitos outros lugares. Muitas pessoas têm contato com Jesus, mas será que eles realmente conhecem o messias que pastoreia o rebanho do Senhor?

Durante o ministério de Jesus muitas pessoas conviviam ele, mas não o conheciam. Os homens de Nazaré apenas o reconheceram como o filho do carpinteiro (Mateus 13. 55), os fariseus o chamavam de charlatão, glutão e beberrão (Mateus 11. 19).

Curioso sobre a repercussão de seu ministério Jesus perguntou aos discípulos: “E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” (Mateus 16. 13). Os discípulos responderam: “Alguns acreditam que o Senhor é João Batista, outros que és o profeta Elias ou quem sabe Jeremias”.

Imagino a decepção de Jesus: “Eles não me conhecem realmente”. Jesus então perguntou aos discípulos: E vocês, que pensam que eu sou?

A resposta de Pedro devolveu o sorriso ao rosto de Jesus: “O Senhor é o Messias, o filho do Deus vivo”! 

Finalmente, alguém que conhecia a Jesus plenamente! O conhecimento de Deus está à disposição de todos os que o desejarem (Oséias 6. 3), o conhecimento do Senhor é a nossa maior glória (Jeremias 9. 24). 

Aqueles que são usuários das mídias sociais da internet conhecem a regra de ouro: Você só será amigo de alguém nessa mídia caso aceite a sua solicitação. A boa notícia é que Jesus está sempre disposto a aceita-lo. João 1. 43 ao 51 mostra como o apóstolo Filipe conheceu ao mestre, ele decidiu apresenta-lo a Natanael. No início esse não se mostrou muito disposto, mas devido à insistência de Filipe ele foi até Jesus. Ao vê-los Jesus disse de Natanael: “Eis aí um verdadeiro israelita”!

Intrigado Natanael perguntou: “De onde você me conhece”?

Jesus revelando a sua onisciência afirmou: “Antes que Filipe te encontrasse eu te vi debaixo da figueira”.

Nós não sabemos o que Natanael estava fazendo debaixo daquela figueira, mas não importa, Jesus sabia e demonstrou a Natanael o desejo de uma amizade mais próxima. Jesus deseja te conhecer profundamente, não perca tempo e se mostre a Ele! Ele compreende as suas imperfeições e deseja te ajudar nos seus problemas.

O conhecimento superficial é um perigo para a alma do ser humano. Jesus disse que além de conhece-lo é necessário sermos conhecidos.

Dias atrás eu tive um sonho, eu estava caminhando e avistei um grupo de pessoas conversando. Entre elas estava uma pessoa que é como um irmão para mim, um amigo muito querido. Cheguei acenando e falei:

- Fulano, como está?

A conversa teve uma pausa dramática, todos me olharam e depois viraram para o meu amigo que respondeu:

- Quem é você?

Isso me quebrou, como assim quem sou eu? Eu conhecia aquele cidadão há mais de doze anos! Dividimos momentos de alegria e tristeza juntos, e agora ele me ignorava? Não era possível que a nossa amizade fosse tão superficial. Engolindo o meu orgulho tentei novamente:

- Fulano, sou eu, o Alex!

Olhando-me friamente ele respondeu:

- Desculpe, mas não te conheço!

A tristeza causada pelo desprezo me fez acordar. Fiquei feliz por que aquela cena era apenas um pesadelo. Como aquilo havia doído! 

Infelizmente muitas pessoas vão passar por algo parecido com Jesus. O mestre nos revela esse fato no evangelho de Mateus, no capítulo 7 e versículos 21 a 23:

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade”.

Imagine ouvir um “não te conheço” de Jesus? Não posso deixar de escrever isso: Será que Jesus reconhece em nós a igreja que ele estabeleceu durante a sua vida? Será que eu continuo conhecendo a voz do bom pastor? Será que ainda estamos próximos o suficiente para que ele ouça a nossa voz?

O desejo de ser reconhecido por Jesus é prioridade para a vida eterna. Certo homem desejou que Jesus se lembrasse dele, infelizmente ele não podia mandar uma carta ou e-mail, ele não podia nem mesmo entregar um cartão de visitas para Jesus. Para começar ele não tinha bolsos, estava nu, e as suas mãos estavam pregadas em uma cruz. Porém, o desejo de ser reconhecido por Jesus o fez clamar em alta voz: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu Reino” (Lucas 23. 42). 

Jesus deve ter ficado surpreso por ter encontrado uma ovelha que reconheceu o seu pastoreio naquele local tão improvável. Mesmo com dores de morte Jesus consolou seu companheiro no gólgota: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso” Lucas 23. 43). 

Se precisar peça perdão ao Senhor, busque o caminho da santidade e bata à porta do mestre, ele te atenderá.

“Porque aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre” (Mateus 7. 8).


0 comentários:

Postar um comentário

A sua opinião é muito importante para a gente.
Comente, critique, deixe a sua dica para que o Sementes do Evangelho seja um blog relevante.