quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O laço do passarinheiro.

O vídeo desse artigo é o curta-metragem “Não me deixe te deixar”, produzido pela 4Ufilms e divulgado nessa semana no podcast do portal irmao.com.



Após assistir a essa bela produção cinematográfica eu me lembrei de uma cena do Pica-Pau. Um dos seus antagonistas, visando acabar de uma vez com o pássaro de topete vermelho, criou uma trilha de pipocas que terminava diante de um canhão. O objetivo era atrair o Pica-Pau com as pipocas até o canhão que colocaria um fim nas suas travessuras.

Atrair a presa com algo agradável, essa é a ciência da arapuca. O passarinho atraído pela guloseima, não percebe os caminhos que está trilhando, e quando se dá conta, já está aprisionado e destinado a viver em uma gaiola para o resto da vida.

A história de Carlos, ilustrada no curta-metragem, nos mostra que na maioria das vezes só percebemos que caímos em uma armadilha quando é tarde demais. Ele trocou a sua liberdade tão preciosa por um “inocente aperitivo”. Salomão bem disse ao afirmar:

“...o homem não conhece o seu tempo; como os peixes que se pescam com a rede maligna e como os passarinhos que se prendem com o laço, assim se enlaçam também os filhos dos homens no mau tempo, quando cai de repente sobre eles” (Eclesiastes 9. 12).

Um dos Salmos de Davi ilustra o desespero diante do homem quando ele percebe as armadilhas ocultas em seu cainho:

“Com a minha voz clamei ao SENHOR; com a minha voz ao SENHOR supliquei. Derramei a minha queixa perante a sua face; expus-lhe a minha angústia. Quando o meu espírito estava angustiado em mim, então, conheceste a minha vereda. No caminho em que eu andava, ocultaram um laço. Olhei para a minha direita e vi; mas não havia quem me conhecesse; refúgio me faltou; ninguém cuidou da minha alma. A ti, ó SENHOR, clamei; eu disse: tu és o meu refúgio e a minha porção na terra dos viventes. Atende ao meu clamor, porque estou muito abatido; livra-me dos meus perseguidores, porque são mais fortes do que eu. Tira a minha alma da prisão, para que louve o teu nome; os justos me rodearão, pois me fizeste bem” (Salmo 147 / Grifo nosso).

E pensar que tudo pode começar com um pequeno desvio de troco, uma mãozinha boba, um gole despretensioso. Devemos viver atentos às pequenas iscas que nos conduzem à armadilha maior.

Pode ser que nesse momento o amigo leitor esteja vivendo algo parecido com o exemplo do vídeo ou dos exemplos desse artigo. Eu quero transmitir a mesma mensagem de esperança do vídeo.

AINDA HÁ TEMPO!

Ainda há tempo de clamar a Deus. Ainda há tempo de reconhecer e se arrepender das escolhas que te levaram ao cativeiro. Ainda há tempo de clamar por socorro e ver a mão forte de Deus agindo em seu favor. Ainda há tempo para escapar do laço do passarinheiro.

Que Deus te abençoe!

Se não fora o SENHOR, que esteve ao nosso lado, ora, diga Israel: Se não fora o SENHOR, que esteve ao nosso lado, quando os homens se levantaram contra nós, eles, então, nos teriam engolido vivos, quando a sua ira se acendeu contra nós; então, as águas teriam trasbordado sobre nós, e a corrente teria passado sobre a nossa alma; então, as águas altivas teriam passado sobre a nossa alma. Bendito seja o SENHOR, que não nos deu por presa aos seus dentes. A nossa alma escapou, como um pássaro do laço dos passarinheiros; o laço quebrou-se, e nós escapamos. O nosso socorro está em o nome do SENHOR, que fez o céu e a terra. (Salmo 124 / Grifo nosso).

Nos ajudem a crescer com os seus comentários.

Nossos contatos:




1 comentários:

João Marcos Bomfim disse...

Olá!

Parabéns pelo belo trabalho apresentado aqui no blog. Já estou seguindo!

Aproveito para lhe convidar a conhecer o meu blog, e se desejar segui-lo, será uma honra.

Seus comentários também serão sempre bem-vindos.

http://conexaocomomundo.blogspot.com

Te espero lá!

Graça, alegria e paz
Sem. João Marcos Bomfim

Postar um comentário

A sua opinião é muito importante para a gente.
Comente, critique, deixe a sua dica para que o Sementes do Evangelho seja um blog relevante.