sábado, 5 de maio de 2012

Um evangelho para compreender e crer.


Por Alexfábio Custódio.

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16. 15 e 16 / Grifo nosso).

“Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mateus 28. 19 e 20 / Grifo nosso).

Esses dois relatos das últimas instruções de Jesus à sua igreja antes de sua ascensão, nos mostram o Senhor colocando em nossas mãos uma grande responsabilidade: Anunciar o evangelho.

E o que viria a ser o evangelho? Qual o teor dessa mensagem e por que ela é tão importante? Tente responder essas perguntas antes de passar para o próximo parágrafo.

Evangelho significa literalmente “boas novas de salvação”. É a mensagem que expõe ao seu ouvinte a ideia do pecado, mostra como esse delito o afasta de Deus, alerta quanto ao risco da condenação eterna, aponta para a reconciliação através de Jesus Cristo, e convida ao arrependimento e mudança de atitude. Essa é a boa notícia a nós confiada! O fim do cativeiro e o reencontro com o Deus de Paz!

Eu acredito que a igreja deve ter atividades sociais e filantrópicas, engajamento político, manifestações artísticas, e muitas outras formas de ajudar, motivados pelo amor de Deus, a sociedade em que vivemos. Contudo, a nossa missão primordial, essencial e INTRANSFERÍVEL é a de anunciar esse evangelho da salvação.

Segundo os trechos grifados nas duas passagens bíblicas citadas no começo desse artigo, a mensagem do evangelho deve ser pregada e ensinada. Os ouvintes dessa mensagem deveriam compreender e aprender a seguir os ensinamentos do Messias.

Sinto informar através desse parágrafo regado com lágrimas que estamos em débito nesse quesito. A mensagem do evangelho está cada vez mais distante de nossos púlpitos, a trocamos por autoajuda e movimentos midiáticos somente para não “perder a plateia” Ocupamos um espaço tão precioso em TV, rádio e internet apenas mostrando aos nossos espectadores que somos mais bonitos, mais ungidos (E eu nunca achei um unçômetro para comprar ¬¬’ ), mais ousados, mais bravos, mais engenhosos, e não falamos uma vírgula sobre a mensagem que pode tirar essas almas do Inferno! A mensagem que deveria ser clara o objetiva, está cada vez mais confusa, camuflada com argumentos de outras filosofias e até elementos litúrgicos pagãos!

Claro que não estou generalizando, muito pelo contrário, insisto em acreditar que a maioria de nosso povo é formada por pessoas devotadas à busca pelas almas tão amadas pelo bom mestre. Homens e mulheres que não entregam a sua alma à vaidade dos aplausos ou de tapinhas nas costas. Cristãos que não adulteram a mensagem do evangelho buscando “agradar o cliente”, e que, assim como o apóstolo Paulo, não se envergonham do evangelho de Cristo (Romanos 1. 16).

Estamos cercados de pessoas aflitas, sedentas por uma palavra que venha saciar as suas necessidades espirituais. Nós temos o evangelho que aproxima criatura do Criador, não a retemos como nos negros dias medievais, mas a anunciemos a tempo e fora de tempo!

“Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam a paz, dos que anunciam coisas boas!” (Romanos 10. 14 e 15).

Colocando o versículo acima em ordem cronológica, descobrimos que devemos nos preparar para testemunhar de nossa fé, depois anunciamos a Cristo com toda a nossa maneira de viver, e assim termina nossa tarefa. Cabe ao ouvinte da mensagem eterna crer ou não crer no que lhes foi pregado.

O evangelho não deve apenas ser entendido, para que o ouvinte possa desfrutar da graça de Deus, ele precisa CRER na mensagem.

Na universidade, eu tinha um professor que conhecia muito mais de bíblia do que muitos cristãos. Em nossas conversas ele me disse que entendia muito bem a mensagem do evangelho, só escolhera não seguir esse caminho a ele proposto.

Ele conhecia e escolheu não crer. Espero em Cristo que o bom Espírito Santo consiga encontrar lugar naquele coração endurecido, e o convença da justiça, do pecado e do juízo (João 16. 8 a 11). O conhecimento bíblico sem aplicação espiritual se torna o acúmulo de conteúdo mitológico.

Vou tomar emprestadas as palavras de meu irmão em Cristo e amigo João Leonardo, diácono da Assembleia de Deus de Cassilândia MS: “Se eu pudesse, arrancaria o sentimento de alegria que eu tenho no meu peito por ser de Jesus, e colocaria em sua alma, para você entender como é bom ter comunhão com Ele”. As palavras do João refletem o anseio do evangélico (pessoa que guia a sua vida pelo evangelho) realmente engajado na evangelização (ato de anunciar o evangelho), e que espera uma resposta positiva ao convite á salvação. Contudo, infelizmente muitas pessoas passam anos vivendo ao lado de homens e mulheres que são exemplos de caráter e conduta cristã, e mesmo assim insistem em não aceitar o dom gratuito de Deus.

Quando isso acontece queridos, só temos uma saída: A oração! Clamar a Deus pelas pessoas que nos cercam é uma grande prova de amor por elas.

Lembro-me do caso o meu pai. Ele vivia longe de seus filhos, vivendo vinte e quatro horas apenas motivado pelo vício que o levou para fora do seio familiar, os jogos de azar. Por muito tempo oramos pela a sua vida, em um dia de angústia ele se lembrou do Senhor, e hoje é um crente fiel, pai e avô dedicado.

Persista querido(a) leitor(a) em ser testemunha do verdadeiro evangelho da cruz, seja um baluarte da justiça divina, e com fie a Deus os corações daqueles que você deseja ver nos acompanhando na chegada aos céus!

 Que o Espírito Santo de Deus possa testificar dessas palavras em nossos corações:

“em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para louvor da sua glória” (Efésios 1. 13 e 14 / Grifo nosso).
 
Nos ajude com o seu comentário. Entre em contato conosco:
 



0 comentários:

Postar um comentário

A sua opinião é muito importante para a gente.
Comente, critique, deixe a sua dica para que o Sementes do Evangelho seja um blog relevante.